A Alagamares 2014-2016

Neste biénio 2014-2016 a Alagamares-Associação Cultural procurará organizar um conjunto de colóquios de interesse cultural e científico, a promover em locais adequados e acertados pontualmente, com oradores convidados e abertos a todos. Poderá ser adoptado modelo de conferência, debate, sarau ou jantar. Entre os temas a explorar estarão temas históricos, de economia local, intervenção cívica, património, poesia, urbanismo, defesa do consumidor, ambiente, etc, bem como debates destinados à discussão da revisão do PDM e Plano de Sintra, e um outro sobre “Modelos de Desenvolvimento Económico e Emprego: uma alternativa para Sintra”, em moldes a definir. Está a ponderar-se um ciclo de conferências mensais regulares em Sintra, em parceria com um espaço cultural local. Está proposto o IV Encontro de História de Sintra para Maio de 2014. Será promovida a divulgação popular de ciência e tecnologia, através de artigos de divulgação a editar regularmente através do portal da Associação, e serão igualmente promovidos debates e visitas de natureza científica, conferências ou tertúlias.

VISITAS E ROTEIROS

Serão efectuadas visitas guiadas, de preferência aos fins de semana, com número mínimo de participantes a anunciar, a locais ou circuitos de relevante interesse histórico, cultural, científico e ambiental, além de outros circuitos de periodicidade mais espaçada (a Marrocos ou Astúrias, por exemplo), e passeios pedestres orientados, ou em bicicleta. Entre os próximos, ir-se-á assinalar a Sintra de Fernando II, visitas a faróis, a estúdios de televisão, aos centros de ciência viva, à Faculdade de Ciências, etc. Serão promovidos ainda os “Sábados pela Vila” e a continuação do ciclo de passeios aos parques naturais portugueses e vilas históricas. A associação promoverá convívios onde se promoverá o lazer, a diversão e o reforço do sentimento de grupo, de carácter regular, e igualmente promoverá passeios pedestres e de cicloturismo, desportos e jogos tradicionais, e, por si ou em ligação com outras associações, passeios no litoral, de observação de fauna, flora, e geologia.

DINAMIZAÇÃO ARTÍSTICA

Promover-se-ão mostras e espectáculos de música popular e erudita, cinema, teatro, dança, ópera, musicalidades étnicas, poesia, exposições de arte, design e escultura, e outras, com a participação privilegiada de novos artistas e talentos, de preferência ligados ao concelho de Sintra, mas também nacionais ou estrangeiros. Igualmente se procurará realizar um Festival de Cultura Urbana de periodicidade anual, visando conhecer a identidade da zona urbana de Sintra, suas realidades, personagens, rotinas, novas tradições e subculturas, englobando Grafitti Art Expo, Show Break-Dance, debates, Show Spoken Word – Poetry Slam Sintra (Poesia Urbana), Concerto de R.A.P/ Hip-Hop / Jazz Urbano, um concurso de ideias digitais (explorar a identidade da zona urbana através dos meios digitais) um show de Parkour(novo desporto urbano), shows deSkateboard e Bike e uma Taça de Street Football .Ao longo do biénio igualmente se procurará promover um mercado cultural itinerante, visando promover e dinamizar os produtos, eventos e projectos da cultura sintrense através da apresentação e venda ao público de produtos culturais (artesanato, livros novos e usados,velharias, quadros, CD’s de música (local, nacional e internacional),DVD’s de cinema (local, nacional e internacional) e apresentação de mini-shows: concertos, teatros, marionetas, recitais de poesia, etc; demonstração e workshops de artesanato. Será dinamizado um percurso poético pelas ruas de Sintra «Conta-me a história daquela casa»  procurando as casas desabitadas em risco de perderem a sua história e a sua identidade. Percursos dinamizados por actores com a ajuda das pessoas que habitam essas ruas, bem como de historiadores. Um projecto que virá enriquecer a comunidade Sintrense, na medida em que procurará asas de que poucos falam e/ou que poucos conhecem, sensibilizando ao mesmo tempo para a necessidade da sua preservação. Será promovido um ciclo de Leituras Encenadas: Poesia – Uma vez por mês, actores e diseurs se juntam para “espalhar a palavra”, com pequenos apontamentos performáticos, em diferentes espaços de Sintra – maioritariamente espaços de convívio nocturnos 1 Poetas Sintrenses; 2. Poetas Portugueses; 3. Poetas PALOP’s; 4. Poetas Europeus; 5. Poetas do Mundo. Será também dinamizado o projecto «A Minha Comunidade»: um encontro entre artistas sintrenses e as suas comunidades, partindo de diferentes expressões artísticas: artes plásticas, artes performativas, artes visuais, música, etc.; propomos que cada artista amplie a sua perspectiva sobre a diversidade em Sintra, principalmente em diferentes “bairros” e que a mostre ao público. Partindo da observação da interculturalidade,

DEFESA DE PATRIMÓNIO E URBANISMO

Será promovido o estudo e a divulgação do património de Sintra, com especial enfoque no património em risco, bem como o estudo do urbanismo em Sintra, incidindo na expansão urbanística excessiva e nos problemas daí resultantes, e na melhoria da qualidade de vida proporcionada pela valorização do ordenamento do território, da arquitectura de qualidade, dos valores paisagísticos, do turismo sustentado e do respeito pelos habitats naturais e meio ambiente. Será aprofundado o estudo e discussão dos planos de ordenamento do território, nomeadamente a revisão do PDM de Sintra, do plano da orla costeira Sintra-Sado e outros, em vigor ou previstos, com participação e promoção de sessões públicas de acompanhamento e esclarecimento. Será institucionalizado um Painel de Intervenção Cívica de composição multidisciplinar visando observar, listar e procurar resolver situações que ponham em causa o bem-estar e o desenvolvimento humano a nível social, cultural, ambiental, patrimonial e económico em Sintra, elaborando uma lista de risco de casos prioritários e procurando reunir com os intervenientes e moderar a resolução dos casos  procurando recuperar e equilibrar a situação. Em caso de impossibilidade de diálogo/moderação, tal grupo promoverá pressão social e denunciará o caso na praça pública, promovendo a apresentação das queixas que se mostrem necessárias junto das entidades competentes.

OFICINAS CRIATIVAS

Procurar-se-ão organizar “workshops” sob temáticas de ecologia, educação ambiental, micologia, cultura popular, património e outros, decorrente dos quais se entregarão certificados de participação. Entre os próximos privilegiar-se-ão os ligados à jardinagem, escrita criativa, azulejaria, banda desenhada, teatro,etc.

MEMÓRIA

Sendo a ALAGAMARES cultora da memória colectiva, procurar-se-ão organizar homenagens a vultos relevantes de Sintra merecedores de ser recordados pelo seu tributo à comunidade, mencionando-se a título de exemplo M.S.Lourenço, Bartolomeu Cid dos Santos ou Domingos Jardo. Será ainda criado um núcleo que promoverá a produção, recolha e arquivo de materiais expositivos, fotográficos e audiovisuais da associação, bem como a produção e distribuição, em ligação com os outros núcleos operacionais, dos materiais de propaganda, divulgação e sensibilização da mesma, ajudando a operacionalizar as actividades.

MICROESTRUTURA

Para a concretização das diversas actividades a futura Direcção, atenta a experiência do passado e suas lições, criará núcleos compostos por associados voluntários que garantam a logística, apoio e sucesso dos diversos eventos e chefiados por um coordenador livremente designado e substituído pela Direcção e que responderá perante a mesma acerca das tarefas desenvolvidas. Os coordenadores que não sejam simultaneamente membros dos órgãos sociais terão assento sem direito a voto nas reuniões da mesma onde sejam agendados assuntos em curso nessas áreas. Imbuído duma cultura de participação e diálogo, o Presidente informará de toda a actividade, na sequência de cada reunião da Direcção, os presidentes da Assembleia Geral e do Conselho Fiscal, enviando-lhes as actas, documentos e expediente que haja interesse para conhecimento e, nos prazos legais, para o exercício das legais competências. Todos serão convidados a regularmente manifestarem as suas opiniões sobre as actividades da associação, e a qualidade das mesmas, seja em Assembleias Gerais ou em reuniões abertas da Direcção, com participação dos associados, as quais serão anunciadas previamente.

CONSELHO CONSULTIVO

Activado em 2011 um Conselho Consultivo composto por figuras de reconhecido mérito e prestígio, podendo com a sua experiência e conhecimento ajudar à valorização dos objectivos da associação, procurar-se-á reactivar esse órgão e dinamizá-lo. Dele fazem parte, sem prejuízo de outros que venham a ser convidados, os escritores Miguel Real e Jorge Telles Menezes, o blogger Pedro Macieira, os autarcas Fernando Pereira e Fernando Cunha, o produtor de televisão Guilherme Leite, os divulgadores de história local Ruy Oliveira e Luciano Reis, o director da EPAV, José Luís Furtado, o advogado João Lacerda Tavares, e o designer gráfico Filipe Costa. O Conselho Consultivo poderá reunir por iniciativa própria ou a pedido da Direcção, formulando recomendações e entre si elegerá um Presidente e um Secretário.

A ALAGAMARES, PARCEIRO PARA O DIÁLOGO

A ALAGAMARES interage com a sociedade, e quer dela beber experiências, rasgar caminhos e ser agente de mudança, continuando a ser um parceiro e actor cultural, na sequência dos seus nove anos de actividade e mais de uma centena de eventos realizados nas mais diversas áreas, mas quer sobretudo divulgar e aprender, para tanto se balizando pela discussão e abordagem permanente de assuntos novos ou em novas perspectivas. Como disse Miguel de Unamuno, “a erudição é, em muitos casos, uma forma disfarçada de preguiça intelectual ou um ópio para adormecer as inquietações íntimas do espírito“. Não seremos um núcleo de eruditos, mas continuaremos a ser artífices e artesãos do Saber, sem dirigismos, dogmas ou espírito de capela, assim cumprindo a nossa missão de cidadãos. A participação entusiasta e crítica nas actividades e na vida associativa será a pedra angular do sucesso e eficácia da associação cujo objectivo é o da promoção da cultura, da região de Sintra e dos seus associados. Em tempos de anemia financeira, não permaneceremos anémicos mas interventivos, cientes de que a cidadania activa deve ser congregadora de sinergias. Rejeitamos a desistência e com entusiasmo e pés assentes no chão proclamamos a nossa vontade de afirmar a Cultura  como um dever social e a acção mobilizadora como propulsora de novos horizontes.Estamos na estrada, não estamos na berma.

Share Button