Assim foi a visita a Vidigueira e Mértola

A Alagamares promoveu dia 20 de Maio um passeio ao Alentejo, nomeadamente à Vidigueira (Ruínas Romanas de S. Cucufate e Quinta do Quetzal) e Festival Islâmico de Mértola.

A Vila romana de São Cucufate é um conjunto de ruínas romanas de vila romana áulica do século I d.C. em Vila de Frades, Portugal. Este sítio arqueológico reúne vestígios de termas, jardim e um templo, posteriormente adaptado ao culto cristão: o convento dedicado a São Cucufate, um mártir executado em 304 na actual Catalunha. Supõe-se que foi uma importante casa agrícola, testemunhando a antiguidade e importância desta actividade no Alentejo. Foi classificada como Monumento Nacional em 1947.

A Quinta do Quetzal situa-se no coração da região do Alentejo nas encostas da Vidigueira. Fica nas imediações da mais antiga adega romana de que há registo na Península Ibérica. As caves localizam-se a grande profundidade debaixo da terra por forma a criar uma temperatura naturalmente fresca em que as uvas podem envelhecer gradualmente.Para completar a experiência Quetzal, foi criado um novo edifício que aloja um restaurante, uma loja e um centro de arte. O edifício está parcialmente revestido a xisto, destacando-se e integrando-se simultaneamente com fluidez na envolvente. O espaço circundante foi concebido para incorporar plantas nativas naturais de modo a maximizar a experiência do habitat natural do Alentejo.Cees e Inge de Bruin são colecionadores e patrocinadores de arte contemporânea. Mantêm há mais de 40 anos, juntamente com a família, uma forte ligação a Portugal. O projeto da Quinta do Quetzal expressa a sua paixão pela cultura, natureza, gastronomia e vinhos portugueses que desejam partilhar. Todos os anos, em colaboração com a sua filha Aveline de Bruin, organizam uma nova exposição na propriedade, em que o ponto de partida é a coleção privada da família e as suas ligações ao mundo da arte.

A magia do Festival Islâmico regressou às ruas do Centro Histórico de Mértola de 18 a 21 de Maio.  Aqui, a herança islâmica da Vila-Museu mistura-se com mercadores e artesãos vindos da bacia do Mediterrâneo, numa celebração cultural única. A 9.ª Edição do Festival Islâmico voltou a apostar no mercado de rua – souk, na música, nas exposições, nas conferências, no teatro e na gastronomia.

Algumas imagens de um dia intenso:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share Button