Os Heróis e os Vencidos-Uma memória histórica, por Rui Oliveira

A reportagem é antiga, de Julho 1912. Inflamada de retórica, de ideais republicanos, épica. Não fora o número elevado de mortos, de ambos os lados dos contendores, e quase nos ficava a impressão de que se tratou de uma justa medieva, entre Nobres Cavaleiros, do Rei, e Cavaleiros Vilões ou Concelhios. Mas, não! Foi uma situação verdadeiramente perigosa para Portugal. Ensaio sequencial de ataque e defesa, fruto de uma atitude hostil que, durante mais de uma década, a elite política portuguesa de ambos os lados, o Republicano e o Monárquico, foram alimentando. Pelo meio o Povo, sofrido, esgotado pelo trabalho duro do quotidiano, foi sempre a grande vítima.

Tirando esta triste realidade, subjacente da reportagem da Ilustração Portuguesa, número 335, de 22 de Julho de 1912, desenvolvida ao longo de 26 páginas, constatamos que a contenda, tanto política como armada, entre os dois antagonistas, decorreu exclusivamente em ambiente de Revancha. Do lado Monárquico, um dos mais brilhantes oficiais do Exército, Henrique Paiva Couceiro. Figura Ilustre da História Portuguesa, na viragem do seculo século XIX-XX. De forte cunho tradicionalista monárquico, ideólogo a quem chamavam de paladino da Causa Real Portuguesa. Do outro, uma elite política, heterogénea, de raiz cosmopolita, apoiada em lojas maçónicas tanto civis como militares.

Seja como for esta foi a segunda de três tentativas, de restaurar a monarquia. Ocorreu entre 6 e 8 de Julho de 1912. Teve como estratégia a entrada de uma coluna militar, armada e municiada em Espanha, pela fronteira de Chaves. Para daí marchar, com apoio da população e das forças militares locais, sobre Lisboa. No caso concreto do Casal da Carregueira, em Belas, este funcionava como ponto de apoio “dissimulado” e, fazendo fé na reportagem, como possível paiol. Da profusa foto-reportagem, aliás excelente e trabalhosa dada a época, duas fotos alusivas a populares, chamam a atenção; a primeira, mostra-nos seis indivíduos, quatro homens e duas mulheres, uma delas perfeitamente “alheada” da situação retratada, pois está a fazer renda. A segunda é a família do caseiro do Casal da Carregueira, em pose estática, própria de quem não sabe o que se passa. É caso para dizer os Saloios não tinham culpa. Mas outros tiveram e muito, foram julgados e temos notícia disso. Os vencedores, republicanos, seriam julgados mais tarde num golpe de 28 de Maio de 1926, cuja designação foi muito elucidativa: Ditadura Nacional. O povo…… esse “Mouro de Trabalho” em nada “teve voto”, mas os Saloios, também, não tiveram culpa.

Localização do Casal da Carregueira

Share Button